Rio de Janeiro, 17 anos. Sonha em ser escritora. Ama chocolate e sorvete! Viciada em animes, k-pop, doramas e livros de ficção.
Há um velho poema de Neruda pelo qual eu sempre fui fissurada e uma de suas linhas grudou em mim desde o primeiro momento em que o li. Ele diz “o amor é tão curto, o esquecimento é tão longo.” É um verso que sempre relacionei aos meus momentos mais tristes, quando eu precisava saber que mais alguém se sentia exatamente da forma como eu estava me sentindo. E então, quando estamos tentando seguir em frente, os momentos que nos lembramos não são os piores momentos. São os momentos em que você vê faíscas que na verdade não estavam lá ou em que sente as estrelas alinhadas sem ter prova alguma, vê o futuro antes dele acontecer e então isto escapa sem nenhum aviso. Estes são momentos de esperança e extrema alegria, intensa paixão, pensamento ilusório e, em alguns casos, a inimaginável desapontamento. E, na minha cabeça, cada uma dessas memórias se parecem uma só. Eu vejo estes momentos em brilhante e ardente vermelho.

Running – 3° Capítulo.


- Ele está indo rápido demais. – Joe balançou a cabeça enquanto todos encaravam a televisão. – Quer chamar a atenção da mídia. Precisamos pega-lo.
- Vou fazer uma declaração! – Demi levantou e todos a olharam. – É preciso! Estamos engando as pessoas sobre a fuga dele quando a mídia já anuncia mortes. Precisamos admitir que ele fugiu.
- É melhor outra pessoa fazer isso. – Thomas, seu chefe, disse. – Você já tem uma ligação com ele e é mel...
- Por isso mesmo. – Demi o interrompeu. – Ele me quer. Quer que eu o veja dessa vez como ele é. – Demi afirmou. – Eu sou a melhor pessoa para isso.
- Não quero que fique como antes, Demetria. – Thomas levantou-se e andou pela sala.
- Eu não estou vulnerável como pensam. Estou bem. Quando digo que estou bem é porque estou, dessa vez sei quem ele é e tenho controle da situação. – Demi ficou na defensiva e olhou para Joe. – Diga a ele, Joseph.

Joe olhou para Demi e Thomas ficando quieto. Ele voltou atenção para o painel de fotos sobre o caso deixando Demi entretecida.

- Eu só sou o legista. – Joe quebrou o silêncio.
- Irei marcar uma coletiva no horário de almoço. – Thomas bufou. – Se eu perceber um sinal de fraqueza sua, sinto muito, mas você vai ser retirada desse caso.

A moça concordou com a cabeça e esperou Thomas sair da sala. Ela foi até Joseph e o encarou enquanto o rapaz preenchia a lousa transparente. Ele reparou que Demi o encarava com os olhos cerrados.

- Não vou falar uma coisa que não concordo só porque você quer, Demi. – Joe ficou sério e os dois ficaram com uma certa distância. – Se você diz que está bem, eu acredito em você. Mas isso não quer dizer que eu vou apoia-la cegamente.
- Não é apoiar cegamente, você nem me apoiou. – Demi retrucou.
- Porque eu não acho certo. – Joe deu meia volta na sala pouco irritada. – Eu me preocupo com você, eu estava lá quando você estava toda danificada pelo Wilmer. Você finge que não lembra o pesadelo que viveu por causa dele.
- É claro que me lembro, apenas não me apego a isso. – Demi aumentou o tom de voz deixando Joe constrangido no escritório.
- Não vou discutir isso com você aqui. – Joe voltou a preencher a lousa. – Mas ontem você saiu da cena do crime sem dizer nada, atordoada com o que viu e ouviu. O bilhete que ele deixou a você e correu até Miley. – Joe olhou para Demi novamente. – Não é ruim dizer que ele mexe com você, seria péssimo negar isso.
- Sei em que ponto quer chegar! Não vou deixar esse caso.
- Eu sei que não vai, não vou pedir por isso. – Joe sorriu. – Eu te amo, Demi.
- Mas?
- Mas eu não vou mentir por você. – Ele tentou aproximar-se. – Te amo muito para isso.

Antes que Demi pudesse abrir a boca, Connor abriu a porta ofegante e tentou conter-se, mas os suores no rosto avermelhado e olhos arregalados demostrando desespero não acalmou Demetria e Joseph.

- Diga, Connor! – Joseph gritou com o rapaz que apenas os olhavam.
- Parece que Alexa passou mal essa manhã na escola e foi levada ao ponto socorro.
- O que? O que que ela tem? – Demi perguntou. – Que hospital ela está? Vou ficar com ela e você me mantenha atualiz...
- Esse é o problema. Alexa não chegou ao hospital. Falaram que o pai esperaria.

Demi olhou para Joe.

- Estava aqui o tempo inteiro, nem sabia que Alexa estava doente. – Joe falou a Demi.
- Meu Deus...
- Ela estava bem essa manhã quando a levei para escola.
- Ele... levou... – Demi dizia ofegante com o coração disparado. – Alexa.
- Não podemos esperar o horário de almoço.

***
- É uma ótima atriz, Lex. – Beijou a testa da pequena garota.
- Mamãe já disse isso. – Ela riu e abraçou o pai.
- Como você está? – Ele a abraçou forte.
- Bem. Senti saudades, papai.
- Também senti, minha filha. – Ele sorria ao vê-la passar a mão pelo seu rosto.
- Tá diferente, papai. – Ela ria pegando em sua barba. – Achei que não ia mais te ver.
- Papai deixou a barba crescer.
- Tá morando aqui? Vai voltar para casa?
- Não vou voltar. Sua mãe está com outro homem.
- Joe! – Ela disse alegre. – Ele me dá muito bolo e bonecas.
- Sim, Joe. – Wilmer disfarçou sua raiva com um sorriso. – E por enquanto ficarei aqui.
- Ela vai vir?
- Sua mãe?
- Mamãe. – Ela concordou. – Vai vir?
- Logo, logo ela chega. – Wilmer falou. – Lembra quando sempre falava isso?
- Então ela vai chegar tarde. – Alexa assentiu com a cabeça.
- Como nos velhos tempos. – Wilmer levantou. – Vamos ficar aqui por um tempo.
- Bonita! – Alexa disse olhando a casa.
- Sim, ela linda. – Wilmer concordou. – Fique aqui enquanto limpo lá em cima.

Alexa concordou com a cabeça e voltou a prestar atenção na televisão. Wilmer subiu as escadas lentamente e foi em direção ao último quarto. Entrando, ele trancou e foi em direção a dona da casa. A verdadeira dona.
Ele agachou em sua frente e tirou uma fita cinza de sua boca com força e rapidez deixando aquela área avermelhada com o rosto da mulher em lagrimas.

- Lembra de mim? – Ele sorriu. – Pois é, seu namorado dificultou minha vida na cadeia.

A mulher chorava em silencio evitando olhar nos olhos do Wilmer.

- Eu não quero te machucar, sabe disso, não é? – Wilmer sentou no lado dela. – Mas minha filha está aqui e eu não tinha onde ir com ela. Mas eu lembrei que seu namorado disse duas coisas perto de mim na cadeia. A primeira era que a namorada dele era solitária e só tinha ele, a segunda era que ela tinha uma casa no subúrbio. Não foi difícil achar você com tantas coisas que ele fala de você por lá. – Wilmer a forçou deitar em seu peito. – Meu melhor conselho é você é que termine com ele e viva sua vida porque eu não ligo para nada disso, mas outro cara que sair de lá pode achar você aqui... não será bom para você. Ele não é bom para você.
- Por favor, não me mate. – Ela dizia entre soluços.
- Shh... – Wilmer pediu delicado. – Não vou te matar, na verdade, você ficará aqui até eu fazer o que tenho que fazer. Depois disso estará livre para viver sua vida.

***
- Boa noite, eu sou a detetive Demetria Lovato e estou aqui para dar um comunicado importante para todos de Washington. Nos últimos dias, o serial killer Wilmer Valderrama fugiu da penitenciaria de segurança máxima e está andando livre pelas ruas. Ele já deixou duas vítimas e essa manhã sequestrou a minha filha, Alexa Lovato Valderrama. Peço que todos que tiverem informações concretas do seu paradeiro e de minha filha, ligue para a polícia. Não hesite. Wilmer é um homem habilidoso e perigoso para todos. E Wilmer, sei que está assistindo isso e agora estou falando diretamente com você. Entregue Alexa para sua mãe, não faça ela vivenciar as suas loucuras! Peguei você uma vez, pegarei novamente.

4 comentários:

  1. ADOREI POSTA LOGO
    DEMI PEGARÁ WILMER MAIS FORTE

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou postar o proximo capitulo em breve.
      Só posso dizer que a caça será exaustiva para ela.

      Excluir
  2. posta logo que ta mto bom

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Irei postar em breve. Fico feliz que esteja gostando.

      Excluir

Layout feito por Roh A. Ramos do garota no mundo html todos os direitos estão reservados Ⓒ 2017