Rio de Janeiro, 17 anos. Sonha em ser escritora. Ama chocolate e sorvete! Viciada em animes, k-pop, doramas e livros de ficção.
Há um velho poema de Neruda pelo qual eu sempre fui fissurada e uma de suas linhas grudou em mim desde o primeiro momento em que o li. Ele diz “o amor é tão curto, o esquecimento é tão longo.” É um verso que sempre relacionei aos meus momentos mais tristes, quando eu precisava saber que mais alguém se sentia exatamente da forma como eu estava me sentindo. E então, quando estamos tentando seguir em frente, os momentos que nos lembramos não são os piores momentos. São os momentos em que você vê faíscas que na verdade não estavam lá ou em que sente as estrelas alinhadas sem ter prova alguma, vê o futuro antes dele acontecer e então isto escapa sem nenhum aviso. Estes são momentos de esperança e extrema alegria, intensa paixão, pensamento ilusório e, em alguns casos, a inimaginável desapontamento. E, na minha cabeça, cada uma dessas memórias se parecem uma só. Eu vejo estes momentos em brilhante e ardente vermelho.

Mail Box | Capítulo Único.


Último domingo de novembro.

Era uma manhã de domingo em um pequeno loft concentrado no Brooklyn, Nova York. Conhecido como o outro lado da cidade. O aroma de café puro pairava por todo o local que despertou Jacob Gyllenhaal, ou apenas Jake para os mais próximos de seu transe. Ele era um homem de trinta e poucos anos, olheiras amostras e mãos secas que tinha uma eterna paixão por café, mas em momentos ideias, um belo homem com um par de olhos azuis como oceano.
Ele arrumou uma pequena parte de seu balcão com canetas e rosquinhas de, talvez, uma ou duas noites atrás. Ele mesmo não se lembrava, mas está bom. Serviu seu café e deu pequenos coles entre assopros aquecendo-se com a fumaça. Pela janela observou a ponte de Brooklyn e os pequenos indícios do inverno – os flocos de nevas começará a cair naquela manhã, mas nada que deva se preocupar. Sua intenção era passar o domingo em casa de folga já que no dia seguinte iria continuar um projeto que desenvolvia desde que começou a trabalhar para Woods Bagot – uma grande empresa de arquitetura.
Ouviu um barulho vindo da porta e um pacote de cartas sendo despachados no seu tapete na única entrada de sua confortável residência.  Ali continha tudo que ele sempre recebia – cartas promocionais de banco que nunca ouviu falar, panfletos e mais panfletos além do jornal matinal. Ao deixar cair algumas correspondências na mão, deparou-se com um envelope parda escrito a mão Jacob Benjamin Gyllenhaal com uma caligrafia que chamas confundiria.
Seu coração pulsou mais forte e hesitou em abrir por três vezes, mas sua curiosidade já havia sido atiçada. Antes de abrir por total, buscou seu café no balcão e caminhou até o sofá posicionando-o na mesa de centro, apoiando seus cotovelos nas pernas e encarando o pequeno T.S. na ponta do envelope.

“Querido Jake...”

Iniciou a leitura, mas logo parou por sentir-se fraco. Ela era uma das pessoas que era intimida o bastante para chama-lo de Jake, ou pelos menos, era tão intima para isso. Ele bebeu um grande gole de seu café e não notou que queimou sua garganta por isso. Abriu a grande folha e voltou a ler.

“Você pode estar se perguntando como achei seu endereço ou porque estou escrevendo essa carta, mas eu prometo que eu vou responder essas questões. Eu sempre cumpri minhas promessas, não é? Bom, ainda temos amigos em comum e eu pergunto de você para eles. Se você está bem, se está feliz. Eles dizem que estão e que deixou cortou seu cabelo, parou de deixar a barba crescer e começou a ir para academia. Confesso que ainda não acredito que vai para academia. Enfim, mesmo após nosso termino saber do seu bem-estar foi uma prioridade que sempre me certifiquei porque eu me importo com você até meu último suspiro.
Eu não mandaria essa carta se você não fosse tão importante para mim, você sabe o quanto nosso amor foi intenso e ele ainda está nos nossos corações. Nunca fomos os mesmos depois de tudo, podemos garantir isso. E por tal sentimento, quero contar minha visão do nosso relacionamento porque no final é importante que saiba que apesar de todos os nossos erros, tentativas e dores... foi bom.
Nunca amei uma pessoa como amei você, tanto antes como depois. Você foi um homem que costuma dominar meus pensamentos e tirou bloco por bloco até chegar no meu coração, desfez todas as armadilhas que montei até tocar na minha alma. Conseguiu me desarmar e ganhou meu coração, provavelmente, para sempre.
Me lembro muito bem que nos conhecemos em um trem de Washington para Nova York, você sentou no meu lado no trem e cheirava a café e eu... Inocência, como você bem disse quatro meses depois. Era madrugada e eu dormi no seu ombro por uma viagem de apenas seis horas e você para um desconhecido aceitou muito bem.
Naquele dia aconteceu um acidente no trem em nossa frente e ficamos parados em um túnel por quase duas horas até o trem voltar a circular e eu acordei. Diz você que eu tinha babado no seu ombro, mas ainda duvido disso. Que seja, você sorriu e se apresentou, mas eu menti meu nome porque pensei que seria a primeira e última vez que o veria. Estava errada.
Dividimos um lanche que guardava na minha mala e conversamos até chegarmos em Nova York, você quis dividir um táxi para continuar nossa conversa que foi de incidentes em viagens até programas de televisões.
Você disse que eu era uma mulher muito desconfiada, mas deu razão porque eu ainda não te conhecia e pedi para que o táxi levasse você primeiro. No caminho, você continuou dizendo que netflix não era inovador o bastante e pediu meu telefone. Eu passei um número que você fez questão de verificar na minha frente, provavelmente, seria meu terceiro golpe em você em apenas um dia. Naquela altura tinha me encantando por você.
Três dias depois você me ligou e descobriu que não sou a melhor pessoa para atender a números desconhecidos da minha agenda, mas cinco dias depois atendi tal número. Seu número e você me convidou para sair, mas eu te levei para uma feira de artefatos com minhas amigas. Ainda assim, você continuou sorrindo e insistiu que precisávamos de uma chance e eu concordei, apenas uma, naquela época, era o suficiente.
Com todos meus sentimentos, fui sincera com você do começo ao fim. Contei que não era boa em relacionamentos ou com pessoas, tinha medo de ter as mesmas dores de cabeças que a maioria das pessoas tem, mas você disse que compartilhava das mesmas crises e frustações. Até aquele momento isso era verdade. Nós sabemos disso.
Não sabíamos onde iriamos dar, ainda não sabemos se a nossa história, de fato, acabou. Apesar de ter ficado esse pressentimento, a culpa não foi somente sua e eu espero que possamos falar sobre isso. Em breve.
Eu senti sua falta, Jake.
T.S.”

Jake notou que certas lagrimas tinham caído em seu rosto, apenas ignorou isso e limpou com a manga do moletom que vestia. Ele relia certos trechos rapidamente e balançava a cabeça de forma negativa. Não conseguia acreditar que seu coração tremeria pela mesma mulher novamente e o quanto os erros voltaram a dominar sua mente.
Não pensou em outra coisa, foi até sua grande mesa de trabalho e guardou os papeis dentro do envelope novamente colocando na fragmentadora de papeis. Assim assistiu aquela carta estraçalhar em segundos igualmente como ficou seus sentimentos há dois anos trás.
Decidiu não pensar nisso, mas era impossível. Há muito tempo que negou ouvir nome de Taylor Swift, mas agora ela estava ali. Novamente. Ali dominando os pensamentos daquele homem e toda a turbulência apenas estava começando.

Primeiro domingo de dezembro.

- Bom dia.

Jake despertará com massagens em seu peitoral de Reese Witherspoon, sua primeira e única namorada após Taylor Swift. Logo na segunda-feira daquela semana, Jake ligou para sua bela ex-namorada com segundas intenções, mas a verdadeira intenção era tentar esquecer Taylor novamente. E Reese tinha esse poder. Ele sabia o quanto era errado usa-la para esquecer outra pessoa, mas Reese desconfiava.
Eles começaram a namorar cerca de nove meses após o termino de Jake com Taylor. E ele estava muito frágil em relação a todo, assim como Taylor ele construirá um muro, mas Reese não quis derruba-lo, ao contrário, deixou ali para que um dia, se Jake quisesse, abriria a porta para ela. Mas ele nunca abriu e ela não quis esperar.
No mais, Reese era uma mulher madura e independente demais para aguardar sua vez em um coração que já tinha dona. Ainda tem, mas o sexo era bom e para ela estava o suficiente. Então, ambos queriam uma coisa que o outro era capaz de fornecer, talvez, está relação fosse mais balanceada do que os dois desejassem.
Ele deslizou sua barba pela nuca da moça fazendo-a ficar arrepiada, sentou na cama e procurou uma roupa para vestir. Ela apreciou uma rápida vista de Jake nu e tomou coragem para levantar e fazer o mesmo.

- Vou preparar alguma coisa para comermos. – Jake sorriu e caminhou para cozinha.
- Na verdade, já estava indo... – Ela riu e concordou com a cabeça. – Mas aceito o café.

Ela vestiu o moletom que Jake vinha usando a semana inteira e foi com ele para a cozinha, sentando na bancada e assistiu-o fazendo seu café – café puro, ovos mexidos e frutas que comprou sabe lá quando, mas estavam boas.
A ambiente agradável quase que encerrará ao ouvir o barulho das correspondências sendo despachadas no chão do loft. Reese levantou oferecendo-se para pegar, mas Jake impediu indo na frente.
Enquanto Jake separava as correspondências e procurava o que não queria achar, achou. Olhou para Reese que comia seu café distraída e avisou que ia no banheiro, ao entrar no cômodo. Analisou a carta, caligrafia e rasgou o envelope para lê-la rapidamente.
Jake encostou seu corpo na parede e iniciou a leitura.

“Jake,
Se você leu a outra carta até o fim soube que entraria em contato novamente e eu prefiro acreditar que você está lendo essa carta também. Se não ler, está tudo bem.
O frio chegou e sempre foi nossa época favorita. Lembro-me de irmos praticar snowboard juntos e como eu era péssima nesse esporte como em qualquer outro que já tentei. Mas você sempre foi muito bom com esportes, o que me faz lembrar de quando sua mãe contava sobre seus pontos quando fazia parte da liga de futebol quando menor e as suas fotos eram mais graciosas que já vi. Um pequeno rapaz de olhos azuis, óculos em uma cama de solteiro.
Você contava sobre o seu passado acreditando que eu seria seu futuro e assim fazendo com que minhas barreiras caíssem aos poucos. Perguntou sobre a minha família com quem não morava fazia um ano, meus pais – e assim sendo a primeira pessoa que contei sobre seu falecimento, meus traumas, meus medos.... No final, você leu-me por completo.
Nós éramos muito bons juntos e em algum ponto erramos. Talvez nos perdemos nas traduções, talvez eu tenha pedido demais a você ou você tenha me perdido no caminho, mas nós estávamos lá e eu me lembro muito bem disso. Éramos uma obra de arte muito valiosa até que você arruinou isso com o pretexto de ser honesto novamente e novamente.
Eu também arruinei tudo isso quando perdi o que nunca dei um nome. Pelo menos, nunca tive coragem de dar um nome ou um sexo, nunca soube. Mas depois daquilo eu também mudei, já não era uma inocente e você tentou buscar aquele outro eu de volta porque eu tinha ficado triste demais para continuar enganando as outras pessoas. Eu cai, apenas.
Disseram que eu me tornei uma pessoa toxica para você, suguei sua luz e felicidade, mas você também mudou porque quando perdemos nossa obra, também perdemos um pouco do nosso amor e tudo mudou.
Até que um dia você me tirou de tudo isso, fugimos para bem longe e por poucos dias me senti que poderia voltar a ser a mesma mulher de sempre, a mesma pessoa com que eu costumava a ser, mas não foi assim que me senti. Eu estava feliz com você no meu lado na cama acariciando meus cabelos, dormindo colado em meu corpo e fazendo com que o nosso amor renascesse de novo e de novo.
De todas as minhas viagens, aquela foi a minha favorita só pelo fato de você estar lá comigo e me amar como ninguém nunca me amou e permitir que eu me apaixonasse por você outra vez. Sentia-me como acabássemos de criar um mundo paralelo onde não existia nenhuma dor e nós éramos felizes onde ninguém nos machucaria. Não mais. Tem uma frase que eu sempre relaciono a você de um poeta que tanto gosto: “Tão bom morrer de amor! E continuar vivendo...” e eu morri e renasci em você todos os dias, sempre que pude.
Obrigada por isso, Jake.
T.S.”

As memorias sobre aquela viagem tomou os pensamentos de Jake e por mais que ele implorasse a si mesma para superar aqui, não conseguia. Ele concordava com todas as palavras e sentia a mesma coisa que sua amada dizia. Era tão bom.
Ele olhou para os papeis em sua mão e guardou com delicadeza no envelope. Saiu do banheiro e Reese o encarou desconfiada pela sua demora, ficou ali por quase meia hora, mas nenhum dos dois comentaram sobre isso.
Jake olhou para a fragmentadora de papel e o arrependimento de triturar a pequena carta veio, mas ele não faria isso com a segunda carta. Ao contrário. Insistiu para que Reese passasse o dia com ele e ela cedeu por não ter outra coisa para se fazer no domingo, mas após sua saída. Jake releu a carta três vezes para que pudesse dormir.
Durante a semana, sonhou com Taylor e pensou nela. Os pensamentos não eram sempre positivos. Sua vontade era mandar uma foto para Taylor com uma mulher com qualquer e dizer para parar de tentar entrar em contato, mas se o fizesse ele perderia. Apenas perderia e sua ponte cairia.

Segundo domingo de dezembro.

Amanheceu no Brooklyn já fazia horas e Jake ainda estava na cama cansado e acordaria a qualquer minuto com ressaca. Uma forte ressaca. Passou a semana inteira atolado de trabalho e não conseguiu finalizar seu projeto como planejava. Já fazia um bom tempo que Jake não saia para beber em um bar, normalmente faz isso em casa e com moderação, mas há dias que precisamos extrapolar como ele pensou.
O celular dele vibrava no outro lado da cama e ele despertava por segundos, mas logo voltava a cochilar. Não por muito tempo, seu celular tocou e era um dos seus colegas de trabalho. Com um rápido telefonema sobre tal projeto, Jake perdeu seu sono e verificou algumas notificações. As mensagens vinham de sua velha amiga Blake Lively, esposa de seu melhor amigo Ryan e uma grande mulher. Ela o convidava para jantar e pedia respostas para reservar o restaurante, coisa que Jake passou a manhã ignorando. Assim que respondeu negando, tentou voltar a dormir, mas sua cabeça estava explodindo.
Assim que percebeu que suas vontades não seriam atendidas e que ficar na cama tão pouco resolveria seus problemas profissionais ou pessoais, levantou e seguiu andando pela casa que estava com forte cheio de bebida velha e bagunçada. A caminho do banheiro, resolveu tomar uma ducha gelada – mesmo no frio – e pedir um almoço.
Jogado no sofá assistindo um programa qualquer, a companhia tocou e ele foi com dinheiro trocado pegar seu almoço. Ao chegar na porta notou que pisou nas correspondências. Ele pegou o pacote da refeição com uma mão e as correspondências em outra equilibrando-se ao fechar a porta com um pé. Assim que entrou na cozinha, despachou tudo na mesa e abriu seu almoço apreciando um ótimo cheiro de comida quase caseira. Colocando uma pequena porção em um prato, reconheceu uma das correspondências. Evitou dizer o nome, mas seu coração já palpitou no peito.
Ele sentou no balcão e abriu a carta. Diferentes das duas anteriores, essa era curta, mas profunda.

“Bom dia Jake!
Espero que tenha passado sua semana bem e que tenha lido as restantes cartas. É importante para mim que leia essa porque tenho uma coisa a revelar a você.
Em primeiro lugar, não quis continuar a narrar a nossa história. Pensando bem durante pouco tempo que tive para prepara-las, talvez, você não tenha nenhum interesse sobre nossa história. Não mais.
Em segundo lugar, esta carta que está lendo tão pouco vale para que mude sua vida. Considere ela apenas um aviso prévio do que irá acontecer em poucos dias. É claro, escrevi está carta uma semana antes que a recebesse, então, coisas acontecem nesse meio tempo.
Você não é o único que andou recebendo cartas minhas, mas é o único que não respondeu nenhuma delas. Seja com comentários positivos ou negativos. Você não respondeu e eu esperava isso, na verdade, torci para que todos não respondessem porque eu não estaria pronta para fazer o que pretendo fazer com mensagens.
Então, porque está escrevendo isso? Você deve se perguntar. Eu respondo!
Estou fazendo isso porque eu acredito que eu possa ter sido importante para sua vida e das demais pessoas que enviei uma carta. Na verdade, você é o único a quem envio mais de uma carta. É tanta coisa que eu gostaria de ter dito, enfim, não é mais importante.
Uma forma de dizer que eu ainda me importo com a opinião de cada um que recebeu uma carta. Eu gostaria de contar que faz onze meses que descobri que, por dentro do meu corpo, sou fogos de artifícios estourando para todos os lados. Não romantizando, mas quero dizer que tenho câncer. Três canceres diferentes e que se espalharam por todo meu corpo. Um tumor cerebral acolhido em minha cabeça por quase sete anos, câncer nos óvulos cujo a remoção tão pouco mudou sua gravidade e no pulmão.
Talvez fosse os ócios do oficio ou descuido meu. Não seria a primeira vez, não é?
É isso que venho a revelar. O que tenho não há mais cura, não há mais esperança e eu apenas digo isso a você por consideração. Achei que quisesse saber disso, mas se não, me perdoe por isso. É a última vez que entrarei em contato com você.
Apenas quero te lembrar que eu torço muito por você, Jake! Você é um homem incrível que merece o mundo inteiro. Seu coração é tão puro e você marcou minha vida de maneira boa e cruel. Só fique bem.
Com todo meu amor,
T.S.”

Jake soltou uma risada, mas de maneira nervosa e balançou a cabeça negativamente. Sua cabeça estava em dúvida sobre a verdade. A verdade que ali foi apresentada. Foi torturante passar a semana pensando em que Taylor falaria na próxima carta: outra viagem, as vezes que Jake faltou em seu aniversário ou nas brigas que tiveram aos longos dos anos.
Não foi isso e Jake estava decepcionado por não estar preparado.
Por um ou dois segundos, chegou a pensar que Taylor pediria outra chance, que eles poderiam ter outra chance para provar que nas primeiras vezes eram imaturos, estavam errados.
Não foi isso.
Ela estava doente e ele não pensava nessa parte. Apenas no que perdeu.
Só fique bem... As últimas palavras que ele “ouviria” ela dizer a ele e mesmo assim, não sabia como reagir. Ele fez o mesmo que fez com as outras cartas: dobrou com certa delicadeza e guardou na última gaveta de seu criado-mudo voltando a almoçar.
Era um fato que qualquer distração que viria nos próximos dias era incapaz de tirar a ideia de que Taylor... sua Taylor morreria ou talvez, como ele chegou a pensar, morreu, mas ele não sabia o que fazer ou como reagir de maneira certa. Uma coisa estava faltando, mas ele não saberia dizer o que.

Terceiro domingo de dezembro.

Jake virou seu sofá em direção a porta do seu loft e bebia seu café calmamente enquanto fitava a porta. Era exatamente sete e cinquenta, mal conseguia dormir durante essa semana agoniante. No meio da semana foi aniversario de Taylor e na próxima semana seria seu aniversário o que o fez lembrar durante o dia 13 de dezembro que ambos comemoravam seus aniversários juntos até Jake faltar no último. Ele sempre procurou um motivo, até mandou uma mensagem de voz dando desculpas naquela noite, mas depois muito tempo aceitou que errou e não compareceu porque não fez certo esforço. Nessa questão, Jake não se perdoou, mas estava ali esperando exatamente oito horas para o correio passar em sua porta e receber sua correspondência dessa semana e ali saberia o que sua antiga amada sentiu naquele dia.
Não demorou muito para ver o entregador depositar uma pequena pilha de envelopes debaixo da porta e sua sombra sumir. De longe, Jake buscou enxergar se o que ele gostaria estava ali, mas não queria ler a carta por completo como fez com as primeiras. Ele levantou do sofá e foi até a porta recolher as correspondências. Procurou o envelope pardo com as iniciais de Taylor e jogou as outras cartas na bancada. Após apossar novamente do sofá, abriu o envelope e relaxou entre as almoçadas para ler. Está seria a maior carta que receberá até ali.

“Ei Jake!
Feliz aniversário!
Tudo que eu sempre desejei a você vale para todos os anos. Nunca mudei quanto a isso, mas não me faça repetir todos os clichês anuais e todos meus sentimentos por você. Por favor!
Estive pensando entre uma carta e outra o que pode ter mudado entre nós com meus envios e com suas leituras. Algo mudou entre nós? De qualquer maneira, eu já estou acabando.
Eu não poderia lembrar do meu aniversário sem lembrar do meu melhor presente que, não ao acaso, foi você quem me deu. Lembra daquela viagem que fizemos para África do Sul? Acho que foi minha primeira viagem fora do país e eu sempre dizia para você sobre esse país e de tantas coisas que gostaria de fazer por lá. Principalmente levar o Hórus – o pequeno tigre que adotei – para viver lá. Sem eu saber ou perceber, você preparou essa surpresa no meu aniversário e vivenciamos os cinco melhores dias de minha vida. Ou um dos melhores dias da minha vida. Eu nunca consegui decidir sobre isso.
Agora, se você espera que eu relembre do meu último aniversário. Eu não irei relembrar isso porque faço questão de guardar apenas as lembranças boas sobre você e aquele dia, aquela semana foram erros atrás de erros que nunca cometemos novamente. Muita coisa tinha dado errado, não faço questão de lembrar daquele aniversario e você também não deveria.
Assim como a vida, nosso relacionamento foi baseado em escolhas. Sempre foram questões de escolhas e eu escolhi você no primeiro momento que olhei em seus olhos. Nunca me arrependi de ter pegado aquele trem ou divido tal taxi. Sem perceber, eu escolhi querer você e ama-lo até o ultimo segundo da minha vida. Você também me escolheu e nós escolhemos ultrapassar todas as barreiras para ficarmos juntos como escolhemos nos separar. Algumas escolhas foram certas e justas, já outras não foram premeditadas.
Tive medo todos os segundos do nosso relacionamento. O medo de errar ou perde-lo porque eu não sabia como lidar com cada passo que dávamos. Desde o início, eu disse a você que eu não sabia lidar com coisas novas. Tinha ansiedade de novidades porque eu gostava de saber de tudo antes mesmo de aprender ou viver. Eu sempre estive um passo à frente na minha vida e com você me senti às cegas. E confiar em você foi uma escolha.
Se você escolheu ler essa carta, deve ter o mesmo sentimento que tenho por você. E independente de erros e escolhas que fizemos para chegar onde estamos. Eu repito: está tudo bem.
Você me amou como sua vida e mais um pouco.
Eu te amei mais que minha vida.
T.S.”

O rapaz respirou fundo diversas vezes e deitou no sofá com a carta no peito pensativo. Sempre pensativo. Guardou o papel no envelope novamente e colocou na gaveta junto com a segunda. Sentado em sua poltrona agora, ele olhou para a fragmentadora de papeis e resolveu caçar peça por peça a primeira carta que ali tinha colocado.
Nunca tinha ficado tão arrependido de um ato como aquele. Estupido, pensava ele ao coletar pedaço por pedaço. Ele sabia que eu colocar qualquer papel ali, nunca mais resgatar. Seja o que for, mas ainda assim, tentaria.
E durante a semana com o pouco tempo que tinha entre o trabalho e dormir, ele coletou milhares de fragmentos que reconhecia pelas letras miúdas e redondas de Taylor. Sua intenção não era tentar colocar papel por papel novamente, isso não iria adiantar, mas guardar para lembrar que nenhuma raiva que sentia dela era o suficiente. Ele a amava com toda sua alma.
Mas os dois sabiam que o amor nunca bastou.

Quarto domingo de dezembro.

Pela janela de sua casa, Jake olhou as pessoas decorando suas casas com luzes de Natal. Ele riu da sua vizinha de frente que sempre que possível, assistia na criação dos seus quadrigêmeos. Ao ouvir a companhia tocar, logo correu para atender.
Era o correio que dessa vez pediu para que ele assinasse alguns documentos para poder receber as correspondências. A princípio, estranhou, mas logo viu que chegaram alguns contratos do projeto que trabalhava. No mais, Jake abriu o envelope de Taylor, mas diferente das cartas antigas, essa vinha com um recado logo no envelope.

“Jake, você fez minha vida. Nunca duvide disso.”

Ele sorriu e abriu o envelope.

“Para Jake, o grande amor da minha vida.
Sinto que nosso contato acabou porque eu não tenho mais o que dizer a você! Apenas irei deixar algumas palavras a você para ler quando estiver se sentindo mal ou quando ter saudades de nós. Outras palavras servirão de apoio para seguir em frente nesse mundo um tanto cruel e minhas últimas palavras serão explicações para que você não tenha dúvida em seguir com sua vida.
Todos os momentos que vivi com você foram únicos assim como você o único Jacob Benjamin Gyllenhaal. Um homem integro, engraçado, inteligente e com uma boa lábia para conseguir o que quer. Incluindo uma mesa de jantar ou mais dez minutos em qualquer restaurante.
Um homem que deixa qualquer pessoa com os brilhos nos olhos e borboletas no estomago. Não digo por sua beleza, mas sim pelo homem completo que é. E que lhe falta certa confiança no que quer, então, se você acordar um dia ou viver um ou dois dias em que note que nada está dando certo ou que as coisas estão cada vez mais difíceis. Lembre dessas palavras: as coisas entrarão nos eixos brevemente e se não bastar, se enxergue com meus olhos e verá o tipo de pessoa determinada e inspiradora que é.
Não tente se auto sabotar novamente, isso não é bom. Aceite os seus defeitos e qualidades, seus erros e acertos. Tudo isso junto forma um ótimo pacote de suas boas intenções.
Sempre se lembre dos nossos bons momentos juntos. Desde nossas primeiras viagens, férias e cachorros que adotei durante nossa história. Foram muitos cachorros, não é mesmo? E de todos os restaurantes que já fomos. Sem dúvidas, nosso desafio de comer 20 comidas típicas de países africanos e europeus em 30 dias é minha lembrança favorito. Você sabe... eu amo comer, sempre tirou meu estresse.
Mas não se apegue a nós ou em mim. Seu coração é tão grande que cabe nosso amor, nossas memorias e sua vida inteira que vem por aí. Nunca desista de encontrar bons amigos ou outra paixão, mas faça escolhas sábias.
E não ignore mais Ryan e Blake, eles sentem falta de sua amizade, agradeceria se visitasse minha mãe. Ela ainda tem assuntos pendentes com você e entregará algumas coisas que deixei reservado para você. Mande um beijo a sua irmã e sua sobrinha, diga que sempre tive eterno carinho por elas. Também sei que você pegou meu cachecol como lembrança na casa dela, mas não precisa ficar com todas minhas coisas ou fotos. Você precisa de mais espaço e guardar um tanto de coisas materiais não vai fazer com que volte ou se doar não irá fazer com que minha memória se perca.
Nessa altura você deve estar se perguntando porque estou falando no passado ou citando amigos em comum. Se você não recebeu a notícia é porque seu afastamento era mais grave do que imaginava, mas está tudo bem. Aqui no outro lado da ponte que você construiu entre nós, eu estou doente e não tenho tanto tempo de vida. Então, não tenho muito tempo para mais explicações e sinceramente? Você não precisa delas.
E eu não sei qual será meu futuro no outro lado, mas irei me certificar de cuidar de você. Também não sei se estarei morta quando essa carta chegar em você, mas se não, por favor, não venha atrás e se eu tiver.... Não muda uma virgula do que disse até aqui porque a verdade é que você nunca seguiu em frente. Eu nunca segui em frente. Nunca soubemos o que significava seguir em frente. A distância, o tempo.... Isso não é seguir em frente, é apenas dá um tempo aos nossos corações. Agora você irá seguir em frente.
Você merece.
Então, por favor, Jake. Não fique com a cabeça no trabalho ou nessas cartas. Ligue para seus amigos e saia para curtir uma noite, vista sua melhor roupa e invista na sua melhor cantada. Ou melhore as que você usou comigo porque elas eram péssimas naquela época. Você tem muito tempo e não gaste sendo ranzinza ou infeliz. Viva a sua vida um dia de cada vez no jeito que eu quero que você viva.
Eu te amo, Jake. Você também me ama. Isso é tudo que precisávamos para provar ou para o outro. Cheirar um cachecol para sentir meu cheiro, usar minhas toucas no inverno não fará que eu volte ou que permaneça no seu lado. Eu sempre estarei ao seu lado, certo?
E ao terminar de ler essa carta me prometa que irá seguir em frente.
Tive a honra de ser chamada de sua garota, sou namorada e seu amor. Você foi o amor da minha vida e eu não tenho arrependimentos das minhas escolhas quando o assunto é você, mas você tem uma vida pela frente e eu só sou um trecho da sua história.
Siga em frente. Seja feliz. E não se preocupe com sua ponte. Ela está firme quando você estiver pronto para atravessar.
Eu te amo, Jacob Gyllenhaal.
Taylor Swift.”

Jake ficou boquiaberto ao chegar no último ponto final. Não acreditará no que acabou de ler, em como seus últimos anos passaram nos seus olhos sem perceber. Ele dobrou a carta com delicadeza e encarou o chão por longos minutos.
Não sabia o que fazer até ali. Tinha coisas que Taylor pediu para ele fazer nas cartas, mas não sabia o que fazer. Onde começaria a fazer. Estava perdido e ficou assim nas próximas duas horas. Entrou em transe.

***
Em plena segunda-feira, Jake resolveu não ir trabalhar. Ele pegou a última carta de Taylor e releu rapidamente alguns trechos, um deles dizia para visitar sua antiga sogra e assim o fez.
Entrou em seu carro e deu partida rumo a Manhattan. Taylor morava com sua mãe nos últimos anos em seu apartamento. Uma viagem de uma hora o levou para tal apartamento que lhe trouxe muitas lembranças de quando viveram ali por um ano.
Sem muitas delongas, Jake tocou a campainha arrepiado com toda a situação que iria enfrentar dali por diante. Na mão, ele segurava um buque de rosas. Ao olhar pela janela, a mãe de Taylor acenou em vê-lo e o recebeu no corredor do apartamento.

- Ah, Jake! Quanto tempo. – Ela sorriu e abraçou o rapaz. – Imaginei quando viria.
- Um prazer revê-la. – Ele retribuiu o abraço, mas desconfortável.
- Você soube, é claro. – A senhora retirou o sorriso do rosto. – Foi uma grande perda, mas ela estava sofrendo. – Eles entraram dentro do apartamento e Jake viu que estavam de mudanças. – Iremos vender seu apartamento.... Você sabe.... Traz muitas lembranças de Taylor.

Jake concordou com a cabeça em silencio olhando tudo em sua volta.

- Quer sentar para conversar um pouco? – Ela perguntou.
- Acho que não estou pronto para essa conversa. – Jake respondeu indelicado. – Desculpe, mas Taylor me enviou cartas... muitas cartas sobre
- Eu sei. – A senhora afirmou sentando-se no sofá. – Não só para você, mas para muitos amigos que ela não tinha contato por um tempo. – Ela riu. – Ela sempre gostou dessas coisas antigas e tais cartas permitia um espaço de envio-entrega.
- Ela sofreu? – Jake limpou as lagrimas antes que caíssem por todo seu rosto.
- Infelizmente, sim. – A senhora abaixou a cabeça. – Ela tinha lúpus e teve falência de órgãos, foi uma coisa bem difícil de lidar, mas ela soube lidar com a dor e a doença até o final.
- Sinto muito. – Jake estendeu o braço para toca-la no ombro. – Nunca soube.
- Foi difícil acha-lo, Jake. – Ela riu. – Você sumiu e ela nunca te procurou até querer enviar as cartas. – Ela balançou a cabeça positivamente com um sorriso. – Aliás, ela pediu que entregasse isso a você.

Mãe de Taylor caminhou pelo apartamento em busca de uma pequena caixa e Jake seguiu ela com o olhar.

- Quanto tempo faz? – Ele perguntou.
- Ontem fez três semanas. – Ela respondeu.

Todo esse tempo? Perguntou a si mesmo em estado de choque. Não acreditaria que ele ficou parado recebendo cartas quando já tinha morrido. Sua antiga sogra voltou com um caixa na mão em que Jake abriu rapidamente em seu colo. Havia alguns colares – incluindo dois que ele a presenteou algumas vezes e um bilhete escrito:

“Fico feliz que esteja fazendo o que pedi. Muito obrigada, Jake.
T.S.”

Ele sorriu ao ler e guardou tudo novamente na pequena caixa. Jake ficou ali por algumas horas conversando com sua sogra, tinha muitos assuntos para colocar em dia e outros que não preferiram tocar, mas ao sair dali Jake percebeu que seu coração estava mais calmo e puro.
Ao voltar para casa, colocou todas as cartas dentro da pequena caixa juntamente com um pequeno saquinho com a primeira que ele fragmentou em mil pedaços posicionado todas aquelas lembranças no seu criado-mudo no lado direito da cama. O lado que Taylor costumava deitar. Ali dormiu pela primeira vez em semanas bem.

Primeiro domingo de janeiro.

A neve já estava diminuindo em Nova York e Jake caminhava com passos largos pelo cemitério. Parou na grande lapide de Taylor e sorriu ao ver uma pequena foto. Estendeu a mão até o chão e depositou um grande buque de girassóis.

- Escrevi uma carta para você. – Ele disse encarando a lapide. – Vou ler e enterrar no Central Park na arvore que você costumava me encontrar.

Jake respirou fundo e abriu seu pequeno bilhete.

“Taylor.
Passei as últimas semanas pensando no que fez comigo. De início, pensei que foi um ato cruel, mas entendi seu ponto e perdoo você por isso assim como peço desculpas pelo meu equivoco ou qualquer erro.
Suas cartas foram de grande lição para mim nessa vida. Uma curta vida que nós temos para viver e eu garanto a você que ao seu lado vivi o melhor dela. Está tudo bem comigo, estou bem e prometo que continuarei bem.
Você disse algo sobre seguir em frente, talvez eu siga. Talvez encontre uma mulher tão incrível quanto você e talvez me apaixone. Talvez não me apaixone por essa tal mulher ou por nenhuma. Eu ainda não sei. Temos muitos mistérios nessa vida.
Eu sinto sua falta todos os dias. Sempre senti, mas hoje sou forte o bastante para dizer em voz alta. Leio suas cartas quase todos os dias, mas irei parar com isso em breve pois quero honrar seu maior desejo que eu siga em frente.
Vou seguir, eu prometo.
Não sou bom em cartas, não tenho muito o que dizer. Tudo que sempre quis dizer, te disse!
Mas eu espero que tenha encontrado meu pai ai. Diga que eu amo ele.
Eu te amo.
Até breve.
J.G.”

Ao dobrar o bilhete, Jake olhou para a lapide pela última vez e caminhou sem rumo pelo cemitério.
Ele enterrou sua única carta onde prometeu e algumas vezes visitava tal arvore para ler um bom livro – como sua amada fazia. E aos poucos, Jake, de fato, seguiu em frente levando Taylor em sua memória e coração.
E repetiu a si mesmo muitas vezes, nos seus piores dias e nas suas saudades:
Tudo ficará bem... Taylor.



8 comentários:

  1. adorei essa oneshot
    faz refletir sobre como pessoas ve a mesma coisa diferente
    vc so vai fazer minifics agora?
    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico muito feliz que tenha gostado da historia Gaby.
      Sim, muitas coisas são vistas de maneiras diferentes por olhares diferentes.
      Não, esses curtas já estavam feitos e eu postei para ganhar tempo na organização das futuras fanfics. Em breve voltarei com um longa.

      Excluir
  2. gostei de mail box. foi mto linda
    posta logo yes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que tenha gostado.
      Em breve esclarecerei sobre yes e uma nova fanfic. Espero que entenda.
      Beijos, Mirela.

      Excluir
  3. DEUS ME DEFENDA DE DERRAMAR LÁGRIMAS LENDO ISSO NOVAMENTE
    Eu AMEI, sério. Como sempre, tudo o que vc faz nunca deixa nada a desejar. Tu é maravilhosa. Só faz hino.
    Já falei que amei o Jake humanizado que vc fez, e NOSSA MTO TRISTE COM O FIM! A Taylor é maravilhosa, EU SOFRI LENDO CADA CARTA!
    Coisa mais linda do mundo.
    AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA
    Posta logo hush desgraça
    Te amo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que tenha gostado.
      De fato, o Jake ficou bem melhor do que com o Justin. Enfim.
      Fico feliz que tenha gostado, você sabe o quanto cosidero importante sua opinião.
      Sim, eu fiz de tudo para humanizar o Jake e a Taylor (mesmo de longe). E não romantizar um relacionamento com um final feliz.
      Enfim.
      Obrigada pelo apoio demonia.
      Eu vou postar hush em breve quando acabar.
      Te amo

      Excluir
  4. Na minha opinião você escreve as melhores mini fics... elas fazem muito sentido e não deixam pontas soltas! Amo!!!
    Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que tenha gostado e muito obrigada por suas palavras.
      Já eu sempre achei que meus curtas não eram boas porque não explorava os personagens, mas fico muito feliz que goste.
      Beijos, Mirela.

      Excluir

Layout feito por Roh A. Ramos do garota no mundo html todos os direitos estão reservados Ⓒ 2017